Bem-Vindo a Gran Canaria: Las Palmas de Gran Canaria
GC
GC
GC

Visita Las Palmas de Gran Canaria

 

Antes de començar qualquer dos roteiros principais da ilha, é interessante visitar a cidade començando pela Praia de Las Canteras.

 

 

 

Gran Canaria: Las Canteras

LAS CANTERAS

Las Canteras é uma das praias urbana mais linda do país. Os grancanarios a considerão um obsequio. É uma ampla costa de areia dourada banhadas pelas águas delimitadas de La Barra, um recife que acalma as marulhadas sem isolar-lha das águas abertas. O passeio que percorre a praia, oferece númerosas esplanadas para passar as horas plácidamente. Desde qualquer de elas e olhando para o mar, fica a direita El Confital, ao pé de La Isleta, com ondas ideias para a pratica do surf em qualquer epoca do ano. A esquerda pode-se avistar, ao longe, a costa Norte.

No extremo noroeste de Las Canteras alça-se o Auditorio Alfredo Kraus, (www.pcongresos-canarias.com) e (www.auditorio-alfredokraus.com) edifício desenhado pelo arquitecto Oscar Tusquets e o escultor Juan Bordes que integra, também, o Palácio de Congressos de Canarias. É um compêndio esplêndido da cultura mais universal da cidade, ja que em ele  dão-se  os principais eventos sociais e culturais, tais como o Festival Internacional de Cinema de Las Palmas de Gran Canaria ou Festival de Musica de Canarias, assim como o Centro Comercial Las Arenas de original arquitectura, com sala de projecção cinematográfica, lojas e restaurantes para todos os gostos.

A área urbana do Auditório abrange o Centro Comercial Las Arenas, de original arquitectura, com salas de projecção cinematografica, lojas e restaurantes para todos os gostos.

PARQUE DE SANTA CATALINA

Perto da Praia de Las Canteras, do lado do Porto de la Luz, encontra-se o Parque de Santa Catalina. O comercio e hostelaria oferecem um carácter cosmopolita a este emblematico parque, transitado por aldeãos e forasteiros, e que mantem o rasto portuense nos edifícios Elder e Miller, este último, sede do Museu da Ciência e Tecnologia. O edifício Miller alberga na actualidade O Centro Coreografico de Las Palmas de Gran Canaria, chamado Trini Borrull.

Seguendo para La Isleta, alça-se imponente o Castelo de la Luz cercado dum parque com roseiras que hão recuperado como espaço verde para a cidade. Construido no século XVI, foi durante séculos uma das principais defesas da cidade, cobiçada pelo piratas e corsarios. Desde o castelo disparo-se contra Drake e Morgán, entre muitos outros, mais não pudo conter-se ao ataque do holandês Pieter Van der Does, que tomou, saqueou e incendiou a cidade em 1599. A direita do Parque comença em direcção sul, a Avenida Maritima e a rua de León y Castillo, duas vias importante para conhecer a cidade.

A urbanização do Parque de Santa Catalina e seu ambiente foi-se consolidado a finais do século XIX, após a entrada em funcionamento do Porto de la Luz, lugar afastado em aquele então do centro historico de Vegueta, onde naceu a cidade. Ao final do porto e coroado pelo o conjunto de montanhas vulcânicas encontra-se La Isleta, bairro surgido para acolher a marinheiros e trabalhadores vinculados ao porto. No alto desta pequena península encontra-se o Bairro de Las Coloradas, onde pode-se admirar toda a Praia de Las Canteras e sua barra, que é um braço de lava que, desde La Isleta, correu para o mar onde solidificou para criar o muro que converteu parte da praia numa piscina natural. Grande parte deste espaço natural encontra-se protegido.

VEGUETA-TRIANA

Durante quase quatrocentos anos, Las Palmas de Gran Canaria circunscreviou ao perímetro amuralhada da cidade velha Vegueta - Triana que, a meado do século passado, començo a crecer para o norte, até concluir, sem solução de continuidade, no núcleo que a sua vez crecia desde o Parque de Santa Catalina, com a longa rua de León y Castillo, como eixo de crecimento e ligação de união. A Avenida Maritima  é obra recente e transcorre por terreno tirados ao mar.

As orígens da cidade de Las Palmas de Gran Canaria remonta-se a 1478, quando um exército dirigido pelo comandante espanhol Juan Rejón, desembarco em La Isleta. Imediatamente levó a suas tropas, bordejando a costa até o sul, a um posto situando no alto da lomba de margem dereita da desembocadura do barranco Guiniguada, por onde hoje transcorre a via de acesso ao centro da ilha. Aquí, onde hoje esta a Capela de San Antonio Abad, estabeleciou seu acampamento construiendo uma paliçada com troncos de palmeiras, que abundavão no  lugar. Juan Rejón, sem suspeitar-lho, estava fundando assim a capital da província a qual se deu o nome de Real de Las Palmas. O nome oficial se lhe concedeu a cidade alguns anos depois do fim da conquista de Gran Canaria, em 1515, e desde então foi conhecida como o que é hoje: Las Palmas de Gran Canaria.

Para a visita a Vegueta recomenda-se començar na Praça de Santa Ana  a muitos poucos metros do acampamento fundacional, escolhida pelos propios conquistadores como centro da primeira urbanização, da qual conserva-se ainda grande parte do traçado inicial. Em Santa Ana instalarão-se as Casas Consistoriales, o Palácio do Bispo e a , de interior gotico e exterior neo-calssico. A arquitectonica, alberga o Museu de Arte Sacro. Assim mesmo, se levanta na Praça de Santa Ana, o Palacio Regental, residência do presidente da Audiência Territorial.

 

 

A pouca distância de Santa Ana, na traseira da Sé, encontramos a Casa Museu de Colombo, que lembra o passo pela cidade do descobridor Cristovão Colombo, em seu viagem a America. Possui ademais pinacoteca, valiosos arquivos e colecções americanistas, e entre seus variadas actividades culturais ocupa lugar de privilegio a historia do Oceano Atlantico. O edifício amplo, e de grandes praças exibe artesanatos de madeiras e adornos de pedras que reflecta muitos aspectos da arquitectura islenha.

Da Praça do Pilar Nuevo, a qual orienta-se a fachada principal da Casa de Colombo, saí a rua dos Balcones que corre perpendicular ao mar. Nela, um edifício neo-classico oculta no seu interior a deslumbrante surpresa do moderno. Centro Atlantico de Arte Moderno (CAAM), obra do arquitecto Francisco Sainz de Oriza, onde chegam vanguardistas exposições plásticas de projecção internacional.

Perto também de Santa Ana, na rua do Doctor Chil, encontra-se a igreja do antigo agostinho, sede hoje da Audiência; o barroco Templo de San Francisco de Borja; a sobriedade do Seminário Viejo;  porta de entrada da ilustração dieciochesca, e o Museu Canario,  dedicado fundamentalmente a cultura pre-historica. A poucos metros esta a Praça do Espirítu Santo centrada por um tabernáculo de caserões senhoriais de Vegueta. Na traseira da Sé, na Praça del Pilar Nuevo, o visitante pode ir os domingos, desde as 11:00 até 15:00 horas, a feira da cultura e artesanato, onde apreciam-se os ofícios artesanais canarios e desfrutar de actuações musicais ao mesmo tempo. A recolecta Igreja e Praça de Santo Domingo completam o percurso sugestivo pelo bairro fundacional de Vegueta.

Ao pouco tempo de fundar-se a cidade naceu Triana, na outra margem do leito do Barranco Guiniguada, actual estrada até o centro da ilha. Olhando desde a ribeira de Vegueta, alinha-se a Praça de Hurtado de Mendoza, conhecida popularmente como “ Las Ranas” com o edifício da Biblioteca Municipal e o antigo Hotel Monopol, convertido em centro comercial que alberga instalações do lazer com multicinemas, cafetaria e restaurantes, e, algo mais em baixo, o Teatro Peréz Galdós. Na traseira da Praça de Hurtado de Mendoza, encontra-se a Praça de Cairasco, com o belo edifício modernista do Gabinete Literario e na anexa Alameda de Colombo, a qual abre-se a Igreja e o Convento de San Francisco, o Hotel Madrid. Com o acrecentado no nobre casarão do Centro de Iniciativas Culturales de la Caja de Ahorros (CICCA), integram um dos conjuntos da cidade onde confluie boa parte da vida cultural.

Também desde Hurtado de Mendoza saí a estreita rua de La Peregrina, prelúdio da  rua Cano, onde esta a Casa Natal de Don Benito Pérez Galdós (fechado temporalmente), convertida em museu dedicado a sua memoria e a sua obra.

A rua de Triana, com os rés-do-chão ocupados pelos comercios especializados, oferece diferentes mostras da arquitectura historicas da cidade, na qual destacam as fachadas modernistas. Em seu extremo norte encontra-se a Capela de San de Telmo, localizada na praça do mesmo nome que se assenta no que foi o primitivo casi de Las Palmas. Os alicerce da Capela datão de 1694 e possui belos e artesanais mudéjares e retábulos em dourados. No Parque de San Telmo marcado pela presença do sóbrio edifício do Governo Militar encontra-se o restaurado Quiosque Modernista e o Quiosque da Música, onde celebram-se concertos.

DE BRAVO MURILLO ATÉ MESA Y LÓPEZ

No bairro de Triana concluie a rua de Bravo Murillo, pela qual percorria, desde o mar e na mesma linha do cais –hoje desaparecido- a muralha norte da cidade. Esta muralha encerrava o centro antigo e nobre de Vegueta – Triana e chegava até o alto da ladeira onde ainda podem observar-se suas ruínas. Na rua de Bravo Murillo esta o Palácio Insular, sede do Cabildo de Gran Canaria, um edifício de estilo racionalista projectado por Miguel Martín Fernández de la Torre. Perpendicular a Bravo Murillo descorre a rua de  Tomás Morales que chega até o Parque de Doramas, nesta rua encontra-se os principais centros de Ensino Media, Escolas Universitarias, importantes librarias e a Praça da Constitução o do Obelisco com um monolito comemorativo da aprovação da Constitução Espanhola.

Entre o Parque de San Telmo e a Praça de Rafael O’Shanahan, descorrendo paralelamente a rua de León y Castillo, onde encontra-se os principais edifícios administrativos da Comunidade Autónoma de Canarias. A Praça de la Feria esta no meio deste percurso. Seu centro é ocupado pelo monumento a Dom Benito Pérez Galdós, uma estátua de bronze, obra do escultor Pablo Serrano. Nesta praça de frondosos loureiros das Indias, encontra-se a sede da Delegação do Governo central em Canarias e a Comandancia Militar da Marinha que figurão entre os edifícios públicos mais destacaveis. Mais adiante, nos encontramos a Praça de Rafael O’Shanahan onde se encontra ubicado a sede da Presidência do Governo de Canarias.

Quase ultrapassando a Praça de Rafael O’Shanahan, chegamos a Cidade Jardím, bairro promovido pela colónia britânica na ilha a finais do século XIX. Sua referência principal é o Parque de Doramas no qual se assenta o Hotel Santa Catalina e o Povoado Canario, ambos inspirados na arquitetura tradicional canaria, magistralmente, recreada pelo versátil artista grancanario Néstor Martín Fernández de la Torre. Os jardíns do Parque Doramas oferecem uma boa amostra da flora insular. Na praça do “Bodegón del Pueblo Canario”, rodeado de lojas de artesanato, tem lugar diversas actuações folcloricas todos os domingos pela manhã. No Povoado Canario não podería faltar o Museu Néstor que recolhe a obra deste grande artista que gera tudo o ambiente.

Seguendo a expansão da cidade até o Parque de Santa Catalina esta a Avenida de Mesa y López uma grande alameda  arvoreada de loureiros, reino dos grandes armazéns, de comercios especializados, escritórios bancarios, escritórios de peritos, restaurantes e esplanadas. A Avenida Mesa y López fica fechada do lado do mar, pelos muros da Base Naval, a qual integra-se ja no grande Porto de la Luz.

AVENIDA MARÍTIMA ATÉ SAN CRISTOBAL

Desde o mesmo Porto de la Luz corre junto ao mar a Avenida Marítima uma estrada flanqueada por palmeiras e por um animado e longo passeio que ultrapassa Vegueta e continúa até o peculiar bairro marinheiro de San Cristobal, onde a vida parece transcorrer totalmente alheia ao resto da cidade. Destacam neste bairro o torreão de San Pedro Mártir, metido no mar e que tudo o mundo conhece pelo nome de Castelo de San Cristobal e os númerosos restaurantes que servem especialidades de peixes.

 

CIUDAD ALTA E LOS RISCOS

A cidade començo a expandir-se no século XVII pelas ladeiras que delimitam a faixa costeira. Por cima do bairro de Vegueta nacerão o Bairro de San Jose e os “riscos”  de San Juan, San Nicolas, San Roque e San Bernando. A meados do século XX desenvolveu-se a denominada Ciudad Alta com a construção da Avenida de Escaleritas que deu lugar ao desenvolvimento de bairros situados em seus margens; e a rua de Pedro Infinito, centro do bairro de Schamamn e popular zona comercial desta parte da cidade.

GUAGUA TURÍSTICA

Uma visão panorâmica da cidade desde a zona alta e um percurso por os lugais mais entranhavel e característicos duma cidade moderna em constante animação é que encontraras na “guagua turística” da qual poderás subir-se e deixer livremente durante tudo o dia em qualquer das vinte paragens repartidas a longo de seu percurso.

Mais informação: www.city-sightseeing.com




VOLTAR



Copyright © 2007 Patronato de Turismo de Gran Canaria. Todos los derechos reservados.
:: Marco Legal ::